Como o relacionamento com o cliente ajuda a aprimorar o produto

Todos sabemos que a dificuldade de criar um produto que atenda às necessidades e expectativas dos clientes é enorme. Não é mesmo?

Mas, na verdade, há um caminho para conseguir desenvolver um bom produto com a ajuda do cliente!

Pensando nisso, realizamos um estudo de caso com a empresa Worthix, onde o CEO nos subsidiou com informações sobre como utilizaram alguns métodos na fase de desenvolvimento do seu produto, que é  um software  de pesquisa do comportamento do consumidor que usa inteligência artificial para medir quais são as experiências que mais motivam a compra e a lealdade dos clientes.

Confira só!

Metodologia Lean Startup

A Worthix baseou-se no modelo lean startup desenvolvido por Eric Ries. A base dessa metodologia está esmiuçada no best-seller A Startup Enxuta e traz conceitos e exemplos práticos da adoção desse formato voltado para startups.

O propósito do método lean é ajudar empreendedores a serem mais eficientes, gastar menos e conseguir extrair o máximo do maior ativo da empresa, que são as pessoas.

Na visão do autor, uma startup é uma organização humana desenhada para criar um novo produto ou serviço em um ambiente de extrema incerteza, por isso é necessário ser capaz de experimentar e aprender rapidamente.

A opção da empresa foi desenvolver um MVP (conjunto de testes primários feitos para validar a viabilidade do negócio, ou seja, é a versão mais simples de um produto que pode ser lançada com uma quantidade mínima de esforço e desenvolvimento).

Desenvolveu de forma simples, bem básico, com poucas features no primeiro estágio do negócio. A plataforma tinha um dashboard simples onde o cliente podia acompanhar sem qualquer dificuldade o andamento da pesquisa de satisfação que estava sendo aplicada.

E o resultado? Foi super positivo, os sócios da Worthix colheram feedbacks satisfatórios que mostravam que os clientes estavam conseguindo utilizar corretamente a plataforma, validando assim o MVP.

De acordo com Guilherme Cerqueira, CEO da empresa, as avaliações dos clientes foram muito importantes para o aperfeiçoamento do produto.

Foi fundamental entender na prática a experiência que as empresas estavam tendo com a plataforma, entender quais pontos precisavam ser melhorados e quais foram assertivos. Era uma forma de avaliar todos os aspectos do produto e aperfeiçoa-lo antes de lançá-lo ao mercado.

Aplicando o ciclo construir-mensurar- aprender

Segundo o autor Ries em seu livro, mais do que aprender, é preciso validar constantemente os aprendizados para se ter certeza de que com o passar do tempo ainda são verdadeiros, exatamente como fizeram os sócios da Worthix nos primeiros estágios da empresa. Para isso, a metodologia lean startup trabalha com o ciclo construir-mensurar e aprender, pois segundo Eric Ries “à medida que os clientes interagem com os produtos, geram feedbacks e dados”. Este ciclo tem que ser permanente durante todo o tempo em uma startup e é considerado o principal pilar da startup enxuta.

Livro A Startup Enxuta

O MVP é a primeira parte desse ciclo, é a construção do produto, que mesmo não sendo a versão final, precisa gerar valor ao cliente.

A partir disso, é necessário validá-lo junto ao usuário e monitorar todos os seus resultados, o que inclui métricas realmente necessárias para a compreensão do desempenho e progresso.

A partir desse conjunto de dados, provenientes dos números e feedbacks, o aprendizado acontece, seja para prosseguir no caminho em curso ou para traçar uma mudança de rota (pivotar).

“(…) Apesar de escrevermos o ciclo de feedback como construir-medir-aprender, pois as atividades acontecem nessa sequência, nosso planejamento, na realidade, funciona na ordem inversa: descobrimos o que precisamos aprender, utilizamos a contabilidade associada à inovação para definir o que precisamos medir a fim de saber se estamos obtendo aprendizagem validada e, em seguida, descobrimos que produto precisamos desenvolver para executar aquele experimento e obter aquela medição”, destaca Ries sobre o processo do ciclo.

Da validação para o mercado

Na sequência desse primeiro ciclo de aprendizado, a Worthix lançou a primeira versão melhorada da plataforma a partir dos apontamentos do MVP. Era o momento de começar a cobrar pelo produto.

A precifiação é sempre um dilema para o empreendedor e vem normalmente acompanhada de alguns questionamentos:

• Qual o valor do seu produto?

• Quanto o mercado está disposto a pagar por ele?

A forma encontrada por Cerqueira para responder a essas dúvidas foi testar a elasticidade do preço do produto até chegar ao valor que considerava justo e correto pelo que oferece ao cliente.

Próximo passo: Priorizar as demandas

As avaliações e feedbacks dos clientes também fizeram o CEO da Worthix refletir sobre como atender às demandas apresentadas.

A tendência é sempre providenciar os pedidos dos clientes, mobilizar a equipe de desenvolvimento para que resolva o problema, entretanto, Cerqueira ressalta que à frente da Worthix essa postura mudou um pouco.

Ele passou a avaliar se a feature que determinado cliente está solicitando é uma necessidade de pelo menos 80% de todos os clientes, se a resposta for negativa, não é vantajoso mobilizar o setor de desenvolvimento para trabalhar no projeto.

Caso no futuro essa demanda se torne realmente uma necessidade, aí sim é a hora de desenvolvê-la e ofertá-la ao cliente.

Aprenda mais com o nosso estudo de caso!

Viu só como aproximar o cliente no processo de desenvolvimento do seu produto, juntamente com a metodologia lean startup, te ajuda a criar um produto com um maior  valor agregado?

Você pode continuar aprendendo sobre a metodologia lean startup, e ampliar seu conhecimento sobre como fortalecer o seu time utilizando uma cultura autônoma, e outras dicas essenciais para qualquer empreendedor. Clique no nosso estudo de caso e tenha acesso a todo esse conteúdo:



Comentários

Send this to friend